As Leis da Simplicidade – livro de John Maeda



Autor: John Maeda
Editora: Novo Conceito
Compre no Submarino As Leias Da SimplicidadeJohn Maeda é professor de Media Arts & Sciences do MIT, fundador do Simplicity Consortium no Laboratório de Mídia do próprio MIT e designer premiado mundialmente, além de conselheiro de empresas como a Philips. Pelo tom espiritualizado de seu texto e pelos pontos de vista que expõe, Maeda é mais artista do que designer, o que acrescenta um ponto de vista poético ao seu pensamento sobre simplicidade. O autor mantém o blog 'Laws of Simplicity', onde aprimorou as 10 Leis, que originalmente seriam 16, mas foram resumidas e agrupados pelo processo SLIP. SLIP é um acrônimo de SortLabelIntegratePrioritize (Selecionar, Rotular, Integrar e Priorizar), que é como Maeda categoriza e organiza informações, tarefas e qualquer atividade classificável. No livro, ele demonstra com seus post-its como usa o processo. Maeda gosta de enxergar palavras umas dentro das outras e letras em comum no estilo “caça-palavras”. Por exemplo, ele cita as letras MIT dentro da palavra Simplicity. Por causa disso, o livro abusa destes recursos mnemônicos para educar o leitor sobre como projetar e promover a simplicidade. Outros dois acrônimos bastante explorados por Maeda são: ELA (do inglês SHE): ShrinkHideEmbody (Encolher, Ocultar e Agregar) BRAINBasicsRepeatAvoidInspireNever (Básico é o início de tudo, Repita-se com frequência,Abstenha-se de se desesperar, Inpire-se com exemplos, Nunca deixe de se repetir). Antes de abordar a simplicidade em si, o autor explica sua linha de pesquisa e o processo de criação do livro. Ao invés de recorrer a regras e fórmulas, Maeda convida o leitor a refletir sobre casos como o do iPod da Apple para demonstrar como e porquê a simplicidade tem se tornado um assunto tão em evidência. Ao abordar o assunto em forma de Leis, evita o simplismo mas mantém o assunto sob controle dentro de uma ótica explícita e compreensível. Em muitos aspectos, o raciocínio de Maeda se assemelha ao pensamento de Richard Saul Wurman em "Ansiedade da Informação 2", que li recentemente e comentei aqui. De fato, não são 10 leis, mas 10 reflexões sobre o que é a simplicidade. Como o blog do livro cita as Leis na íntegra, não vou ser preso por reproduzí-las aqui: As 10 leis da simplicidade
1 Reduzir – A maneira mais simples de alcançar a simplicidade é por meio de uma redução conscienciosa. 2 Organizar – A organização faz com que um sistema de muitos pareça de poucos. 3 Tempo – Economia de tempo transmite simplicidade. 4 Aprender – O conhecimento torna tudo mais simples. 5 Diferenças – Simplicidade e complexidade necessitam uma da outra. 6 Contexto – O que reside na periferia da simplicidade é definitivamente não periférico. 7 Emoção – Mais emoções é melhor que menos. 8 Confiança – Na simplicidade nós confiamos. 9 Fracasso – Algumas coisas nunca podem ser simples. 10 A única – A simplicidade consiste em subtrair o óbvio e acrescentar o significativo.
As três soluções propostas por Maeda:
1 Distanciamento – Mais parece menos simplesmente afastando-se para bem longe. 2 Abertura – Abertura significa simplicidade. 3 Energia – Use menos, ganhe mais.
Livros
Comentários fechados