O Ócio Criativo – livro de Domenico de Masi



Autor: O Ócio Criativo - Domenico de Masi
Editora: Sextante
Compre no Submarino

O Ócio Criativo - Domenico de Masi"Contudo, a plenitude da atividade humana é alcançada somente quando nela coincidem, se acumulam, se exaltam e se mesclam o trabalho, o estudo e o jogo; isto é, quando nós trabalhamos, aprendemos e nos divertimos, tudo ao mesmo tempo. (...) É o que eu chamo de "ócio criativo", uma situação que, segundo eu [penso], se tornará cada vez mais difundida no futuro." Domenico de Masi, O Ócio Criativo, pg. 148, Editora Sextante, Rio de Janeiro, 2000.

Este parágrafo pode ser considerado um resumo bastante pragmático de toda a teoria que o sociólogo italiano Domenico De Masi explora no livro "O Ócio Criativo". O livro editado no Brasil é na verdade uma extensa entrevista a Maria Serena Palieri, revisto e com longos trechos atualizados.

A teoria do professor De Masi abrange os mais diversos campos do conhecimento humano, desde a sociologia até a produção industrial e busca, efetivamente, uma nova forma de produção, um passo a mais no desenvolvimento da humanidade, o alcance do que ele e outros estudiosos denominam de "era pós-industrial".

Isto levaria, diriam os pessimistas de plantão, a um desemprego em massa, numa escala sem precedentes na história mundial. Porém, De Masi investe na diminuição drástica das horas trabalhadas diariamente, de oito para quatro ou pelo menos cinco. O restante do tempo seria investido em educação e lazer, levando educação, trabalho e entretenimento ao alcance de todos os seres humanos. É um livro imperdível, com exemplos de todo o mundo e muitos relacionados exclusivamente à situação brasileira.

Livros

Um comentário para “O Ócio Criativo – livro de Domenico de Masi”

  1. Leonardo says:

    Ainda não terminei de ler (estou na metade), mas as idéias de De Masi são realmente coerentes com o processo de evolução de nosso mundo de trabalho. O problema são as empresas que trabalham com tecnologia de ponta que atrasam o desenvolvimento da sociedade impondo idéias do século XIX.
    Graças ao tempo livre aprendi linguas, mantive a saúde com prática de natação e ciclismo, estudei outras ciências, escrevi, viajei, troquei idéias interessantes, projetei aparatos e etc. Trabalhei estudando. E me diverti.

    Mas enfim…só gostaria de adicionar uma coisa: acho que o estudo também é um trabalho. Ele é um pré-trabalho, porque tudo que fazemos após nos formarmos (trabalho) de sustenta graças a todas aquelas décadas de preparo – para a vida, para a sociedade, para uma profissão.

    Mas em nossa sociedade estudante, professor e dona de casa são consideradas pessoas que não trabalham.
    Isso é muito estranho…